18 de ago de 2012

RECOMEÇAR. DE ONDE VOCÊ ESTÁ. DO JEITO QUE ESTÁ.



... “A gente é quem complica tudo”. Já reparou? Tem horas que está tudo bem e de repente muda tudo, pra pior na maioria das vezes. Existe um alguém culpado por isso? Sim. Deus? Não. Você. 

"Eu?" Sim, você mesmo. Tenho a crença de que uma de minhas qualidades seja não reclamar por tudo, o tempo todo. Falo isso por que conheço pessoas que não vivem, apenas lamentam. O fato de eu encarar a vida assim... Naturalmente, me permite enxergar a coisas mais obvia: tudo é consequência.

Sim. Do que fazemos, deixamos de fazer, falamos e, daquilo que deixamos de falar principalmente. Aqui, se aplica aquele conceito de física que aprendemos no ensino médio, toda ação gera uma reação.

Uma brincadeira infeliz, um comentário sem pensar... Ações por impulso podem te levar a perder bens, e eu falo de pessoas, que podem nunca mais voltar. É do feitio dos humanos fazer o que dá na telha, é por isso que muita gente sofre e fica se lastimando e indagando o por quê? Porque meu Deus? Sabe eu, fico imaginando Deus olhando pra nós e dizendo uma só palavra: você. O que mais Ele pode fazer? Impedir que as nossas escolhas terminassem por si mesmas? “É levando tombo que se aprende a andar”.

Sim, mas a gente só cai quando decide soltar a mão de quem está do lado. A ilusão de que caminhar sozinho é legal... Que engando! Caminhar lado a lado é ter a certeza de que tudo está quando o mundo, literalmente, cai ao seu redor. Se a outra pessoa for Deus, você só precisa saber de uma coisa: não é preciso cair para aprender a andar.

Coisas a lembrar:
Número um: Esquecer o que ficou lá trás, depois que fizer uma boa reflexão sobre o acontecido. Número dois: Sorrir acima de tudo. Fica difícil encarar o que vira daqui pra frente de mal humor. Numero três: Recomeçar. De onde você esta. Do jeito que está. 

Esquece essa ideia de que se tivesse a chance de voltar faria tudo diferente, entenda que somos tendenciados a fazer as mesmas coisas sempre. Ou seja, iriamos cometer as mesmas burradas, se não piores que antes. A vida parece com aquelas caixinhas cheia de conselhos, como se todos os dias a gente lesse uma mensagem e decide se faz aquilo ou não. Lembrando que para ambas as escolhas haverá uma consequência, boa ou ruim. 

Bem, o que se pode fazer quando já está feito? Apenas aceitar o que vier e, quem sabe numa próxima vez, conversar com Deus antes de mover os pés.
 


Nenhum comentário: