28 de fev de 2014

CARTA AO CARNAVAL 2014, POR LUCIANO MALHEIROS



Inimigo, sei que a orientação para mim é amar e orar por você. Acredite, eu até tentei.
Mas como ficar calado e impotente diante de tanta destruição que através dos séculos você tem causado em nossa juventude? Farras, bebedeiras, assassinatos, adultério, pornografia, apostasia, idolatria, parece-me que é uma batalha onde o Espírito não tem tido a mínima chance contra a carne.

Sei que muitos dos nossos jovens e adolescentes tem envergonhado o nome de Cristo e exaltando mesmo que de forma inconsciente seu domínio em suas vidas. Sei que muitos não conseguem resistir à suas propostas e elas tem sido impressionantes. Confesso que por mais que como Igreja façamos alguma coisa você vem e aparece com algo mais caro, brilhante e sedutor. Não dá pra comparar um retiro ou impacto evangelístico com um bloco das piranhas, por exemplo, com uma “Cabo Folia” ou algo do gênero. Principalmente se a comparação for julgada por um crente de igreja que adora usar o termo “nada a ver”, mas enfim...

Venho por meio desta, contar algumas novidades neste ano. Qualquer que seja a sua proposta, o sangue de Jesus derramado na cruz vem e cobre a oferta. 
Milhares de adolescentes e jovens em todo o país não se renderão às suas vontades. Como Igreja, temos trabalhado para trazer libertação aos cativos, dar descanso aos oprimidos, temos apoiado os cansados e preenchendo com Deus o vazio das pessoas. Sei que mais uma vez você virá com força total neste ano, mas tenho uma grande novidade para você. 

Somos uma geração diferente! Estamos cansados dos resultados do culto a carne, das consequências na vida dos nossos filhos, enjoamos da sua proposta de vida libertina e profana, queremos crescer, ganhar o mundo, conquistar e não seremos mais escravos. Aliás, essa é uma novidade antiga, de pelo menos uns dois mil anos, tempo que aquele que veio para salvar e dar vida, morreu e ressuscitou para te vencer.

Inimigo, sei que temos nossas diferenças e que nossa batalha parece não ter fim. Não trago boas notícias para você. Existe neste momento um exército de homens e mulheres intercedendo para que a juventude não se seduza por sua doce voz e nem queira sentir o seu toque devastador. As noticias não são mesmo boas para você, suas portas não prevalecerão contra nós, maior o que está em nós do que está em você e mesmo que percamos algumas batalhas, somos mais do que vencedores por aquele que nos amou.

Sugiro então que desista, que se renda, que jogue a toalha, que levante a bandeira branca da paz. 

Paz? É mesmo, eu e você nunca chegaremos a um acordo, pois não tenho parte com quem veio para matar, roubar e destruir, então vá curtindo os seus últimos dias, pois nem as pedras estão aguentando mais e começaram a clamar por aí, percebeu?

Vou me despedindo, não leve a mal esta carta, não é só o meu desejo, mas o de milhares de consagrados, santos e salvos em todo o planeta. Nossa juventude pertence a Jesus e trabalharemos todos os dias por cada filho, vida, mas tenho consciência de que você fará o mesmo.

É isso, vamos pra guerra.

Sem pena de você!

Luciano Malheiros
Cada voluntário, um Missionário!

+++
CURIOSIDADES

• Há uma expectativa de 6 milhões de pessoas voando neste fim de semana para os seguintes destinos: Rio de Janeiro, Bahia e Olinda.

• Para quem não lembra da frase: "o diabo abre o desfile no Rio de Janeiro" no carnaval de 2008, e a polemica foto do carro alegorico com o diabo, reveja a história.

• Carnaval é uma festa que se originou na Grécia em meados dos anos 600 a 520 a.C.. Através dessa festa os gregos realizavam seus cultos em agradecimento aos deuses pela fertilidade do solo e pela produção. Passou a ser uma comemoração adotada pela Igreja Católica em 590 d.C. É um período de festas regidas pelo ano lunar no cristianismo da Idade Média. O período do carnaval era marcado pelo "adeus à carne" ou do latim "carne vale" dando origem ao termo "carnaval". Durante o período do carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes. O carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX. A cidade de Paris foi o principal modelo exportador da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nice, Nova Orleans, Toronto e Rio de Janeiro se inspirariam no carnaval parisiense para implantar suas novas festas carnavalescas. Já o Rio de Janeiro criou e exportou o estilo de fazer carnaval com desfiles de escolas de samba para outras cidades do mundo, como São Paulo, Tóquio e Helsinque, capital da Finlândia.



• O carnaval do Rio de Janeiro está no Guinness Book como o maior carnaval do mundo. Em 1995, o Guinness Book declarou o Galo da Madrugada, da cidade do Recife, como o maior bloco de carnaval do mundo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Que Carta ehm!

É o mundo se curvando e a Igreja de Pe.
Aleluiaaa